iPhone X, o passo adiante da Apple

Além do iPhone 8 e do iPhone 8 Plus (tema do próximo post), a Apple apresentou ontem o iPhone X, com um design no qual a tela ocupa toda a parte frontal, tirando uma pequena protuberância na parte de cima, onde fica a nova câmera True Depth com o reconhecimento facial Face ID, que veio para substituir o Touch ID. Este é o primeiro iPhone com tela AMOLED, que pelo menos pelas imagens e vídeos, parece linda. A tela tem 5.8″ e densidade de 458 pixels por polegada, com suporte a HDR10 e Dolby Vision.

O iPhone X é um novo conceito para a Apple, com uma tela do mesmo tamanho dos principais concorrentes, mas com um design que efetivamente cabe na sua mão. Por dentro ele é equipado com o belíssimo processador A11 Bionic, que a Apple garante que tem um desempenho até 70% melhor que o A10 do iPhone 7, com dois núcleos de desempenho e quatro núcleos de eficiência. Este como sempre um dos pontos altos dos smartphones da maçã. O novo processador do iPhone X e dos iPhones 8 e 8 Plus também é o responsável pelos novos recursos de realidade aumentada, que prometem ser bem divertidos. Ah, e os novos iPhones suportam os animojis, novos emojis animados da Apple usando o reconhecimento do seu rosto (tem quem ame essas coisas).

As câmeras traseiras de 12 megapixels são as mesmas do iPhone 8 Plus, e parecem sensacionais com efeitos de luzes no modo retrato, mas o grande foco mesmo é a câmera frontal True Depth com o Face ID. Será que o Touch ID faz falta? Falando em termos de interface, a ausência do botão home pode não ser um problema, pois você pode se acostumar facilmente com a nova interface por gestos, algo que já existe faz tempo no Android e antes mesmo disto, no Windows Phone. No topo, você tem acesso a dois controles ao deslizar o dedo para baixo, do lado esquerdo da tarja da câmera você abre as notificações, e do lado direito, o Control Center.

Na hora de fazer um pagamento com o Apple Pay, me parecia mais prático colocar o dedo no botão do Touch ID do que ter que olhar para o aparelho. É uma pena que a Apple não tenha conseguido integrar o Touch ID na própria tela, mas o Face ID me parece bem seguro, por mais que tenha dado um problema na apresentação ontem, afinal no palco existem muitas luzes, enfim. Depois que o Face ID reconhece seu rosto, um simples gesto pra cima já desbloqueia a tela. Eu confesso que sinto falta do botão home e do Touch ID, mas acho que ele faz mais falta na hora do desbloqueio do que na hora de navegar pela interface.

Assim como o iPhone 8 e o 8 Plus, o X tem a parte traseira em vidro para o carregamento sem fio, e isto pode significar mais um vidro para ser quebrado, apesar deste ser o vidro mais resistente já usado em um iPhone, segundo a Apple. O iPhone X também é à prova d’água e obviamente não tem o tão útil o plug para fones de ouvido.

O que eu achei do iPhone X? Bem, ele é lindo, mas antes de dar uma opinião definitiva, vou ter que testar pessoalmente para ver como funciona a tarja da câmera frontal e também o Face ID. Se você procurava algo revolucionário, pode ter ficado decepcionado, mas eu acho que este é o máximo de revolução que podemos esperar da Apple neste momento, e sei apreciar as coisas legais dos novos aparelhos, especialmente o processador. Não é o “salto gigantesco” que a Apple descreveu, mas é um belo passo adiante.

E em termos de mercado? Apesar do preço salgado de US$ 999, eu não tenho dúvida alguma que vá vender maravilhosamente bem lá fora, aumentando ainda mais a participação da Apple no mercado de smartphones. No Brasil ele também terá seu público, no qual eu não estou incluído, aliás eu tremo só de pensar em quanto ele irá custar quando chegar por aqui!

O iPhone X será lançado no dia 03 de novembro nos Estados Unidos, e segundo a Apple contou ao meu amigo Thassius, chega no Brasil ainda este ano.

Saiba mais sobre o iPhone X na Apple.

Clique abaixo para ver o vídeo.

Autor: Nick Ellis

Compartilhe
/* Track outbound links in Google Analytics */